quarta, 05 de abril de 2017 - 12:38h
Projeto Alôzinho quer atingir 40 mil alunos este ano
Escola Estadual Cecília Pinto será a primeira a receber as ações educativas que combatem o trote
Por: Ariane Lopes
Atualmente fazem parte do projeto 25 escolas da rede estadual que recebem palestras e oficinas

Técnicos da segurança pública, gestores escolares, estudantes e pais participaram da abertura das atividades 2017 do Projeto Alôzinho. O evento ocorrido no auditório do Centro de Gestão da Tecnologia da Informação (Prodap) tem como objetivo combater os trotes dados ao 190 e 193.

O trabalho teve início diante dos altos índices de ligações sem a real necessidade das ocorrências, o que uma delas acabou ocasionando a morte da sargento do Corpo de Bombeiros, Patrícia Gonçalves Façanha. Diante do fato, foi criada a Lei 1.551 de julho de 2011 que instituiu o programa de redução do trote no Amapá.

Segundo o núcleo de Informações e Estatísticas do Centro Integrado de Defesa Social (Ciodes), o número de trotes no período de janeiro a maio de 2016 foi de 7.184 representando 8,75% de um total de 82.075 ligações recebidas. Em 2015 foram 51.519 trotes, um percentual de 15,38% de um total de 334.915 ligações recebidas.

Atualmente fazem parte das ações 25 escolas da rede estadual de ensino onde são desenvolvidas palestras educativas, oficinas, vídeos, cartilhas e folders. Em 2016, participaram do projeto 15.817 alunos, pais e professores. A expectativa é que este ano sejam alcançados 40 mil alunos.

De acordo com o secretário de Políticas Educacionais da Secretaria de Estado da Educação (Seed), Sebastião Fortes, a rede estadual ultrapassa 135 mil alunos e os esforços estarão concentrados para que cada vez mais, a informação chegue ao maior número de estudantes a cada ano.

A novidade este ano é a participação da Universidade Federal do Amapá (Unifap) no projeto, juntamente com outras instituições e órgãos governamentais como, a secretaria de Estado da Comunicação (Secom), Segurança Pública (Sejusp), Policias Civil e Militar, Polícia Técnica Científica (Politec) e Corpo de Bombeiros.

Na ocasião, houve apresentação de integrantes do projeto Bombeiro Mirim Músico que executaram o Hino do Amapá e de alunos da escola estadual Serafini Costaperária que apresentaram a problemática através de parodias.

Para o coronel Rodiney Barbosa, que na oportunidade estava representando o comando da PM, a maioria dos policiais já passaram por alguma situação de trote e esse ato movimenta toda uma corporação onde muitas vidas podem deixar de serem salvas. Além disso, ele também fez referência aos gastos com o custeio e pessoal que esse tipo de “brincadeira” ocasiona.

“Houve uma redução significativa de trotes. Com isso, melhorou e dinamizou os atendimentos. Então, agradecemos a todos os agentes envolvidos nesta causa”, pontuou.

A coordenadora do projeto Alôzinho, Maria de Nazaré das Neves, destacou que entrou este ano em vigor a Lei 2.089/16 que penaliza aqueles que praticarem o trote. Já estão agendadas para a próxima segunda-feira, 10, ações educativas na E.E Cecilia Pinto onde também será ofertado, aos alunos participantes do projeto, um curso de informática pela Unifap, mediante prévia seleção.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ
Site desenvolvido e hospedado pelo PRODAP - Centro de Gestão da Tecnologia da Informação
2015 - Licença Creative Commons 3.0 International
Amapá